Páginas

domingo, 28 de fevereiro de 2016

[Nostalgia] Os anos 90 e os temas musicais brazucas de seriados e animações nipônicas (ou pseudo-nipônicas)

Eu juro que tentei pensar em um título menor, mas não consegui. Vai ficar assim mesmo. Enfim, ainda na vibe nostalgia anos 90, como vocês puderam perceber pelo artigo que escrevi há algumas semanas, decidi resgatar alguns dos temas musicais mais bizarros de desenhos animados e seriados nipônicos (ou que queriam ser nipônicos) da gloriosa década de 1990.

Os anos 90 eram engraçados. Além de ser permitido e livre para todos os públicos a banheira do Gugu em pleno domingo à tarde, mulheres seminuas e molhadas dançando no Sabadão, operadores de câmera se jogarem no chão a fim de filmarem embaixo das saias das meninas do Banana Split e crianças fazendo coreografias pornográficas para músicas indecentes, bastava algum desenho fazer um imenso sucesso para ganhar um tema musical interpretado por Sandy & Júnior, genéricos de Sandy & Junior, ou apresentadoras infantis (com shorts apertados e botas de cano alto) como forma de engrossar o marketing. Geralmente as letras eram pavorosas e as melodias, grudentas. Em suma, as músicas eram simplesmente infelizes. 

E como eu não tenho nada de mais interessante para fazer, aí vai um top 5 contendo essas preciosidades.

quarta-feira, 17 de fevereiro de 2016

[Fashionismo nerd] Agent Carter e a moda e estilo dos anos 40


Quem diria que o post sobre o estilo da personagem Jemma Simmons de Agents of SHIELD se tornaria um dos mais lidos deste blog? E é por essas e outras que eu decidi falar do vestuário de outras personagens das séries da Marvel. A segunda heroína do estúdio a estrelar a seção fashionismo nerd é Peggy Carter.

A primeira aparição da personagem ocorreu na telona, em Capitão América: O Primeiro Vingador, début da nova versão do herói nos cinemas. E ali ela já mostrava ser uma personagem forte, determinada e cheia de personalidade, muito mais do que apenas o interesse romântico do herói. De lá pra cá, Peggy fez uma ponta na série Agents of SHIELD (em um flashback), apareceu já mais velha na sequência Capitão América 2: Soldado Invernal, no longa do Homem-Formiga e, claro, passou a protagonizar seu próprio show na emissora norte-americana ABC: Agent Carter, tido primeiramente como um spin-off de SHIELD, a série se concentra nas perigosas missões ultra-secretas que a destemida agente encara em plena década de 1940, contando com coadjuvantes de peso como Howard Stark (o pai de Tony Stark, o Homem de Ferro) e seu mordomo Jarvis (um excelente alívio cômico), dentre outros. Ela transmite ótimas mensagens feministas sem soar politicamente correta demais (ou seja, chata demais) e, não à toa, se tornou a heroína mais rentável da Casa das Ideias. Merecidamente.

quinta-feira, 11 de fevereiro de 2016

[A vida, o universo e tudo mais] O que eu aprendi com os anos 90

Que o Quentin Tarantino passou um ano inteiro fazendo campanha para o Oscar, para perder para o Forrest Gump. Então, ele decidiu ir ao MTV Movie Awards.


Que década maravilhosa, não é? Época em que Pulp Fiction ganhava de Melhor Filme na premiação de cinema da MTV. E os outros indicados também eram maravilhosos. 

Que Pimpolho era um cara bem legal, pena que não podia ver mulher.


Que toda vez que o pessoal do Só Pra Contrariar chegava em casa, a barata da vizinha estava na cama deles

E que o Alexandre comprou uma bombinha pra se defender.

Que o cameraman dos programas do Gugu se jogava no chão para conseguir filmar embaixo das saias das meninas do Banana Split e quase levava um chute delas por causa disso.


Atrevido!