Páginas

domingo, 21 de maio de 2017

[Perdida em traduções] Dez filmes famosos que surpreendentemente falharam no teste de Bechdel


Tradução livre do texto originalmente publicado no site Film School Rejects: 

O teste de Bechdel, se você não está familiarizado com o termo, é um ponto de referência para filmes desenvolvido por Alison Bechdel em 1985. Para um filme passar no teste de Bechdel, ele precisa conter uma coisa: uma cena na qual duas ou mais personagens femininas (que possuam nome) tenham uma conversa (isto é, um diálogo na qual as duas participem ativamente) sobre qualquer coisa, exceto homens. Qualquer coisa, mesmo que seja algo estereotipadamente feminino, como compras ou sapatos. Pode até mesmo ser sobre fezes de um cachorro. Não importa.

Parece simples, não é? Então pode ser um tanto chocante descobrir que de 2.500 filmes analisados, cerca de metade apenas passou no teste. E, para ser claro, passar não significa que o filme é bom ou ruim. Falhar no teste não significa que o filme é mau ou anti-mulheres, ou mesmo que passar faz do filme uma obra fortemente feminista. É apenas para fazer as pessoas pensarem a respeito da questão de gênero e como isso é apresentado nos filmes. De fato, o exemplo que Bechdel deu de filme que passou no teste é Alien, unicamente porque Ripley e Lambert tem uma breve conversa acerca do alienígena (vamos ignorar o fato de que o alien é um monstro peniano andante, e que isso foi antes dos Xenomorphos estabelecerem os sexos – as Rainhas não foram introduzidas na franquia até o filme de 1986, Aliens – O Resgate).

Mas ainda assim, surpreende descobrir que alguns dos filmes mais populares de todos os tempos falharam no teste e frequentemente por razões que você, talvez, nunca tenha considerado.

terça-feira, 9 de maio de 2017

[Meus Escritos] Pílulas #2


Você pode fazer um milhão de coisas boas, mas cometa um único deslize e é por ele que você será lembrado. As pessoas não estão interessadas em reconhecer seus acertos, elogiar suas virtudes ou agradecer por suas gentilezas e préstimos. Elas esperam que você cometa erros para poder julgá-lo, que tenha defeitos evidentes para que possam comentá-los, que perca a cabeça e seja grosseiro para que possam crucificá-lo.

Escrito em 06 de abril de 2011.

 ^___^
(@_@)
(^^^^^)
/ '''''' \

sábado, 29 de abril de 2017

[Café com páginas] Contos do Dragão (Parceria Editora Draco)


O Sonhos Empoeirados agora é parceiro da Editora Draco. Para quem não sabe, a Draco tem o maior acervo digital de contos, os #ContosdoDragão, uma coleção de e-books na qual são publicados contos de autores nacionais e lusófonos em versão single. Por vezes, esses contos integram antologias publicadas pela editora, outros são independentes delas. A Draco acredita que essa é uma ótima maneira dos leitores conhecerem novas histórias e novos autores, e também de promover a literatura nacional e os escritores estreantes.

domingo, 23 de abril de 2017

[Fashionismo nerd] Lisa Carol Fremont (Janela Indiscreta)


Há quanto tempo eu não posto um novo artigo nesta seção! Deve fazer mais de um ano. Afinal, escrever sobre moda permanece um desafio para mim, uma vez que não é realmente a minha praia. Mas vamos ao fashion icon de hoje, aliás, Grace Kelly não poderia faltar por aqui ;)

Janela Indiscreta é um thriller americano de 1954, dirigido pelo mestre do suspense Alfred Hitchcock e, possivelmente, um dos meus filmes favoritos do diretor (embora seja muito difícil selecionar um favorito de sua filmografia). Estrelado por James Stewart e Grace Kelly, o longa acompanha o fotógrafo L. B. Jeffries (Stewart) que, entediado, após quebrar a perna e ter de ficar de molho em casa, em seu apartamento em Greenwich Village, passa a espiar os vizinhos com o auxílio de binóculos de sua janela. O que era para ser uma passatempo descompromissado, ainda que antiético, acaba se transformando em um intrincado mistério a ser resolvido, quando Jeff passa a suspeitar que um dos vizinhos assassinou a esposa. Há vários indícios de um homicídio e, ao lado da namorada Lisa (Kelly), e da enfermeira Stella (Thelma Ritter), ele se propõe a investigar, acompanhando o desenrolar dos fatos da janela de seu apartamento.

Paralelamente à investigação do assassinato, Lisa tenta convencer Jeff a se casar com ela, mas o fotógrafo está relutante. Ele garante que ambos são de mundos muito diferentes. Ela é uma glamourosa modelo e editora de uma revista de moda que usa vestidos caríssimos vindos direto de Paris. Enquanto ele, tem um estilo bem simplório não apenas de se vestir, mas de viver. Lisa é persistente e, também, muito inteligente para uma personagem da sexista Hollywood da década de 50 (Hollywood continua sexista, mas naquela época era ainda mais). Ela tem um papel relevante na resolução do mistério, arriscando a própria pele ao invadir o apartamento do suposto assassino. Ao final da película, ela aparece trajando jeans comuns, recostada no sofá do apartamento de Jeff, como se desse a entender que abdicou de seu estilo para viver ao lado dele Mas, enquanto o fotógrafo dorme, Lisa deixa de lado seu exemplar de Além dos Altos Himalaias e abre uma edição da famosa revista de moda Harper's Bazaar, mostrando que permanece sendo a mesma Lisa de sempre.

sábado, 15 de abril de 2017

[Café com páginas] Blacksad

"Há um monte de clichês sobre nós, gatos. Um deles é que possuímos nove vidas. A verdade é que eu nunca realmente quis descobrir se isso era verdade ou não".

Descobri Blacksad em uma lista anticonvencional de melhores graphic novels de todos os tempos. Uma que, sabiamente, não incluía nem Watchmen, nem Sandman e nem V de Vingança. Estas estão presentes em todas as listas que elencam o crème de la crème da nona arte e, para falar a verdade, não precisam ser citadas toda vez. Há um universo vasto de graphic novels excelentes e pouco divulgadas que merecem ser descobertas e lidas. E Blacksad, roteirizada por Juan Diaz Canales e ilustrada, pintada e arte-finalizada por Juanjo Guarnido é um desses títulos. 

A princípio, confesso que senti um pouco de preconceito. Animais antropomórficos? A primeira coisa que me veio à cabeça foram as animações de Hannah Barbera. Mas essa impressão logo se dissipou assim que me deparei com a primeira página. A arte é realmente fabulosa. O primeiro volume da HQ intitulado Em Algum Lugar Entre as Sombras, traz o gato detetive John Blacksad investigando o assassinato de uma bela atriz com quem já teve um affair no passado. Curioso notar que se a história contasse com personagens humanos, provavelmente seria pra lá de manjada. Afinal, é um mote já saturado das típicas tramas noir. Mas ao utilizar a metáfora do mundo animal a fim de fazer paralelos com a natureza feroz, de violência e criminalidade das megalópoles, a obra acerta em cheio.