Páginas

quinta-feira, 31 de dezembro de 2015

[Escritora de quinta] Em 2016, seje menas!


2016 promete. Promete ser um ano como qualquer outro. Essas são as minhas previsões para o ano novo:

* Vamos continuar sendo trouxas;
* Vamos começar dietas toda segunda-feira e abandonaremos a ideia já na terça;
* Vamos continuar usando horóscopo como desculpa para nossas babaquices;
* Vamos continuar colocando a culpa nos outros e nos eximirmos de toda a responsabilidade;
* Vamos continuar reclamando da vida em enormes textões no facebook que ninguém lê, mas todo mundo curte pra ser legal e não perder a amizade;
* Vamos continuar reclamando da vida em enormes textões no facebook, ao invés de fazermos algo realmente eficaz para mudar as nossas vidas;
* Vamos lamentar a morte de algum famoso, tipo o cara que fez figuração como sorveteiro da Praça É Nossa nos anos 70, dizendo "acaba logo 2016, ano horrível";
* Vamos continuar baixando a discografia de todos os músicos, atores, apresentadores, escritores personalidades da mídia, ativistas que, infortunadamente, nos abandonarem em 2016, clamando, nas redes sociais, que somos fãs deles desde 1915 e entrando em brigas com quem a gente nem conhece por causa disso;
* Vamos continuar na luta para tornar válido o diploma de Cientista Político de Facebook;
* Vamos culpar o ano por tudo, então não se engane, 2016! O pessoal que tá falando que você é bem vindo e blahblah são tudo um bando de falso! Vão virar as costas pra você assim que você fizer alguma coisa errada. Pode perguntar pra 2015.
* Os guerreiros da justiça social vão continuar me perturbando por não gostar de gatos;
* Leo DiCaprio não vai ganhar o Oscar;
* E nem a Katy Perry vai ganhar o Grammy;
* A não ser que o cara que apresentou o Miss Universo apresente as premiações. Daí eles serão vitoriosos por alguns minutos, até o apresentador corrigir o erro;
* Não sei vocês, hipsters, o que vão fazer da vida em 2016, mas vai ter filme da Marvel o ano inteiro, então EU vou acampar ao lado do cinema =D;
* Vamos continuar sendo muito, muito trouxas.

Ou, sei lá, de repente a gente pode tentar DE VERDADE ser melhor em 2016? 

Se não "ser melhor", pelo menos, "sermos menas" em 2016. 

Eu sei que muitos de nós fazemos enormes listinhas de resoluções para o novo ano. Mas, na verdade, quando o ano finalmente chega, continuamos agindo e pensando como no ano anterior. 

Lembrando que as fatalidades e os obstáculos que irão surgir eventualmente em nossas vidas, não são culpa do ano. Muitas vezes, nossos problemas serão causados por nós mesmos. Outras vezes, não. Porém, a solução dependerá unicamente de nossa mudança de postura e atitude. 

Dizem que sou uma pessimista de nascimento. Ou, talvez, eu seja uma realista, só isso. Não sei direito. Mas, apesar disso, sempre caminho para um novo ano com o pensamento de que pode ser bom. É claro que eu quero que o ano que se aproxima seja melhor. Claro que eu quero fazer valer a pena. E por que não? Gosto de abandonar o "vai dar tudo errado" por alguns minutos e pensar "pode dar certo, vou tentar". 

Fica como mensagem aquela frase que tanto marcou 2015: "Amigs, em 2016, sejem menas"!

Vou ser menas também ;)

E traz o espumante pra cá!

*Salut*

quinta-feira, 24 de dezembro de 2015

[Listas] Árvores de Natal criativas


Inspirada pela árvore de natal de livros que minha amiga Mila Morelli fez - essa, logo acima - decidi fazer um post na mesma vibe daquele das bibliotecas e listar as árvores de natal mais criativas e interessantes que encontrei vasculhando a web:

terça-feira, 8 de dezembro de 2015

[A vida, o universo e tudo mais] Sobre o hiatus...


Olá! Eu tenho andado meio ausente, é verdade. E não é só daqui, é das minhas redes sociais em geral. Especialmente do facebook, instagram e whatsapp. Mas há uma explicação perfeitamente plausível para isso: as últimas semanas foram turbulentas. Dentre desentendimentos que acabaram se convertendo em impasses no trabalho (com direito a assédio moral e eu tendo de escrever uma cartinha para o prefeito denunciando a falta de ética e respeito da pedante cidadã do RH) e uma crise terrível de depressão desencadeada por este lamentável episódio, não senti nenhuma vontade de atualizar meus blogs, ler alguns livros ou HQs, ou responder às toneladas de mensagens deixadas na minha inbox e no wpp.