Páginas

domingo, 19 de fevereiro de 2017

[Perdida em traduções] Cinquenta tons de um relacionamento abusivo

Uma das coisas que eu mais gosto de fazer é traduzir. Desde pequena, eu pegava os encartes dos CDs da minha irmã, um dicionário de inglês e passava as minhas tardes traduzindo as letras de música. No começo desse ano eu fiquei feliz da vida ao encarar dois freelas de tradução. E foi por essas e outras que decidi criar esta seção de traduções livres aqui no blog. 

Por que traduções livres? Bem, porque a ideia é traduzir, mas eu também tenho um estilo de texto muito forte, então eu não vou me limitar a traduzir. Gosto de dar minha cara a tudo aquilo que escrevo ou interpreto. 

De onde surgiu o nome da seção? Do filme Lost in Translation. O nome deste filme (já tão comentado por mim) é até irônico. Os filmes costumam ganhar traduções sofríveis aqui no Brasil e em Portugal. E justo aquele que tinha como título "Perdidos em Traduções" recebeu o nome de Encontros e Desencontros por estas bandas. Tá que nem é tão ruim, mas não tem nada a ver com o original

Sem mais delongas, vamos à tradução de hoje.


Quem me conhece, sabe que eu sou uma grande detratora (o que a internet comumente chama de hater) de Cinquenta Tons de Cinza. E isso desde que esta se tratava de uma fanfic de Crepúsculo. As razões são inúmeras e eu pretendo elencá-las em um artigo mais para frente. Por enquanto, aí está minha tradução do texto publicado na Affinity Magazine intitulado 50 Shades of Grey—More Like 50 Shades of Abusive Relationship na coluna de saúde mental:

Uma vez que a adaptação do segundo livro da série, Cinquenta Tons Mais Escuros, estreia este mês, eu gostaria de abordar questões fundamentais do primeiro filme e dos livros que acredito terem ido longe demais, porque o que está sendo descrito aqui não é realmente BDSM - é a romantização do relacionamento abusivo e da cultura do estupro.

Este tem sido o tema mais discutido desde o lançamento do primeiro livro em 2011. Enquanto muitos discordam, dizendo que o comportamento abusivo de Christian Grey era justificado devido ao seu passado obscuro - sim, o passado que envolve sua mãe, uma prostituta louca de quem ele sofreu abusos, o que fez com que ele passasse a abusar sexualmente e perseguir mulheres que o fizessem lembrar de sua mãe, como se isso fizesse total sentido e fosse completamente justificável - outros acreditam que seu comportamento abusivo é flagrante, tanto nos livros quanto nos filmes.

Aqui estão alguns quotes de Cinquenta Tons de Cinza que podem te fazer repensar a respeito dos filmes (Aviso: Menção de conteúdo adulto, abuso e estupro)

1. "Não", eu protestei, tentando chutá-lo. Ele parou. "Se você lutar contra, eu vou amarrar seus pés também. Se você fizer algum barulho, Anastasia, vou amordaçá-la".

Devo repetir para você, Christian? Ela disse "Não!". No BDSM, coisas como "não" e palavras de segurança são altamente respeitadas porque confiança é a chave. Mas deixe pra lá, este livro não é sobre BDSM afinal.

2. "Alaska é muito fria e não há para onde correr. Eu vou te encontrar. Posso rastrear seu celular, lembra?"

Desde quando um dominante tem direito de perseguir seus submissos? Não me importa que você seja um deus grego, ainda assim você não tem o direito de perseguir ninguém.

3. "Então você se sentiu degradada, humilhada, abusada e violentada - bancando a Tess Durbeyfield (aludindo à heroína trágica do romance Tess of the D'Urbervilles, que teve sua reputação arruinada após ser seduzida pelo primo na segunda metade do século XIX. Na tradução, pode-se utilizar algo como "bancando a donzela deflorada" ou qualquer coisa do tipo). Eu creio que foi você quem optou por se submeter a essas condições se eu me lembro corretamente. Você realmente se sente assim ou acha que deveria se sentir assim? Duas coisas bem diferentes. Se é assim que você se sente, acha que poderia abraçar esses sentimentos, lidar com eles, por mim? É isso o que uma submissa faria".

Ele acabou de ameaçá-la quando ela finalmente começou a estabelecer um limite? Porque é exatamente o que eu vejo aqui.

4. "Por Cristo, Ana!" ele bateu o punho sobre a mesa, me fazendo dar um pulo e levantar-me tão abruptamente que quase derruba a cadeira de jantar. "Você tem uma coisa, uma coisa para lembrar. Merda! Eu não acredito nisso, porra! Como você pode ser tão estúpida?"

Eu juro por Deus, a quantidade de desrespeito e intimidação contida nesta linha de diálogo é apenas repugnante.

5. "Eu preciso de um pouco de distância". "Eu posso fazer você ficar", ele ameaçou.

Maldito seja, Christian. Ela precisa de um pouco de distância e ninguém, nem mesmo você (especialmente você) pode fazê-la ficar.

Christian Grey é obviamente um sádico. Combinando as citações do livro com perseguição, violência doméstica, e até mesmo atos sexuais sob circunstâncias de consentimento duvidoso. Na verdade, é um fato inegável que essas ações criminosas existem em Cinquenta Tons de Cinza, o que é mais bem apresentando como sendo uma obra de horror do que BDSM ou romance.

Texto original

Sem *Salut* para Christian Grey.

;)

Nenhum comentário:

Postar um comentário