Páginas

domingo, 5 de abril de 2015

[Filme aos domingos] Tangerines / Leviathan

Há quanto tempo eu não fazia um Filme aos Domingos! Geralmente, nesta seção, eu indico um filme por vez. Porém, hoje será diferente. Há algum tempo eu venho curtindo mais os indicados ao Oscar de melhor filme estrangeiro do que os que concorrem na categoria principal, de melhor filme. Por mais que eu não tenha visto Timbuktu, da Mauritânia, e nem o argentino Relatos Selvagens, me atrevo a dizer que o estoniano Tangerines e o russo Leviathan, juntamente com o polonês Ida que levou a estatueta, foram os melhores filmes dentre os indicados à premiação deste ano. Tratam-se realmente de pequenas obras-primas. Abaixo algumas palavrinhas sobre os belos e surpreendentes Tangerines e Leviathan:


Situado em um povoado estoniano da Abecásia, Tangerines é um belíssimo longa sobre companheirismo, honra e respeito. Valores que estão acima das diferenças ideológicas, religiosas, raciais, etc. Em meio à guerra de 1992, as histórias de Ivo (Lembit Ulfsak) e seu amigo produtor de tangerinas, Margus (Elmo Nüganen), se cruzam com a do checheno Ahmed (Giorgi Nakashidze) e do georgiano Niko (Misha Meskhi). A abordagem é excelente. O cineasta Zaza Urushadze acerta ao fazer da guerra o plano de fundo de uma trama intimista que se concentra mesmo na humanidade de seus personagens e nas relações que se desenvolvem entre eles por conta das circunstâncias, apesar da tensão étnica que há entre Ahmed e Niko. Mesmo assim, a guerra não deixa de ser um elemento vital e que move o longa, estando sempre presente mesmo que de maneira subliminar. É pelo olhar de Ivo que compreendemos os meandros da situação. A interação do elenco é um dos principais trunfos, bem como o final tocante. ★★★★


Leviathan versa sobre o abuso de poder, seja político ou religioso. Todo o conflito se dá por conta de um terreno que fica ao lado da casa em que Kolia (Aleksey Serebryakov) vive com a mulher e o filho de um casamento anterior, na cidade de Barents que fica à beira do mar. O desejo veemente do prefeito em apropriar-se destas terras bate de frente com a decisão irredutível de Kolia de não abrir mão delas, o que desencadeia uma série de desafortunados eventos envolvendo o protagonista e sua família, mostrando até onde o poderoso político pode ir para conseguir o que quer. Algumas metáforas, tanto narrativas quanto visuais, soam um pouco óbvias em determinadas passagens, mas este é o único demérito que consigo apontar. A fotografia corrobora o clima melancólico, cruel e sombrio intrínseco ao enredo. Tem uma visão bem pessimista e fatalista também, mas é exatamente essa a intenção no diretor Andrei Zvyagintsev: apresentar de maneira crua e dolorosa a realidade do país. A revolta e o impacto que o desfecho causa ao espectador só acentuam a força dessa obra. ★★★★

Bons filmes e Feliz Páscoa! :)

10 comentários:

  1. Nossa, este filme parece ser bem interessante, vou assistir! Obrigada pela dica!!

    Seja muito bem vinda também no meu blog, comecei agora mais eu amando!!

    http://patibborba.blogspot.com.br/

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Por nada! ;) espero que goste de ambos. Obrigada pela visita e comentário. Mais tarde passo lá no seu blog para conferir. Bjos!

      Excluir
  2. Que filmes legais, não conhecia, nunca tinha visto. Quero pesquisar mais para conhecer e assitir :)

    www.vivendosentimentos.com.br

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Monique, recomendo ambos. Assista quando puder ;)
      Bjos e obrigada pela visita e comentário.

      Excluir
  3. Gostei das temáticas..vou procurar mais para assistir e conhecer :)
    Muito bom, ehehehehhe!


    Gostei da sua "resenha".

    Beeijos :P

    http://carolhermanas.blogspot.com.br/



    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Os dois filmes valem muito a pena.
      Obrigada por passar por aqui e comentar.
      Bjão!

      Excluir
  4. Meu namorado queria muito ver todos os filmes indicados para o oscar mas a gnt acabou não vendo, mas fiquei curiosa pra ver. Feliz páscoa atrasado. :)
    http://corujasemasas.blogspot.com.br/
    Beijos. <3

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. É difícil porque é muita coisa, né? Pelo visto vão diminuir o número de indicados a melhor filme e vai voltar a ser apenas cinco. Já ajuda bastante quem procura tempo para assistir a todos, como nós ;) quando puder, assista. Espero que goste. Obrigada! Bjos <3

      Excluir
  5. sei lá ñ gostei muito de leviathan não. achei meio óbvio como você disse e fatalista é uma boa palavra pra descrever. é punição demais pra um cara só por causa de um terreno. sei que isso acontece mas achei que o filme pesou a mão nisso.

    tangerines eu gostei muito. é emocionante mesmo. cai um cisco no olho no final :P

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Eu geralmente não gosto muito de filmes que optam pelo fatalismo. Mas acho que isso foi bem trabalhado em Leviathan. Apesar de algumas metáforas visuais óbvias, achei um ótimo filme. E provoca o espectador. Causa revolta. O que era a intenção do diretor, ainda mais tendo em vista a realidade do país em questão. Mas compreendo os motivos de você não ter gostado. Obrigada pela visita e comentário de costume ;) Bjos!

      Excluir