Páginas

terça-feira, 5 de maio de 2015

[A vida, o universo e tudo mais] Meu pequeno super-herói

Se eu pudesse apagar todas as memórias, absolutamente todas, dos funerais que tive de comparecer nos últimos anos, eu as apagaria sem pensar duas vezes. Do meu pai, do meu padrinho, do meu sobrinho/afilhado, do meu cunhado... Contudo, deste último, tem apenas uma memória que eu gostaria de preservar. 

Mas antes de falar dela, gostaria de apresentar, para quem ainda não conhece, o Eloy:


Meu sobrinho, meu pequeno grande homem, meu pequeno super-herói. Na foto em questão, ele é o Peter Parker.

Voltando ao assunto: Durante o velório do meu cunhado, o pai do Eloy, muitas pessoas se aproximaram de meu sobrinho para lhe dar os pêsames. Parentes, amigos e outras pessoas próximas à minha família e à família de meu cunhado. Todas, pesarosas, com aquela compreensível expressão de pena estampada em seus rostos. As palavras ditas a ele eram quase sempre as mesmas: "Oh, Eloy... tadinho, tão pequeno e já perder o pai assim...". Meu sobrinho que, dentre tantas outras coisas, detesta que sintam pena dele, dava um sorriso ardiloso, de quem estava prestes a aprontar alguma, e então abria o zíper da jaqueta e revelava o que estava por baixo: a roupa do Batman. As pessoas, confusas, me perguntavam: "mas o que é isso?" e eu, fazendo esforço para conter o riso, explicava: "ele está mostrando que é o Batman". Elas riam, um tanto sem graça, e se afastavam. 

Até hoje me pergunto se elas compreenderam a mensagem que o Eloy estava passando como eu compreendi.


Possivelmente algumas dessas pessoas devem ter achado uma tremenda falta de respeito ele se vestir de Batman em pleno velório do pai. Mas a minha irmã é uma mãe legal que permite que o filho se expresse da forma como bem entende.

E tudo o que meu sobrinho queria expressar naquele momento é que ninguém deveria sentir pena dele. Ele era um super-herói. Ele era o Batman. Não havia motivos para ninguém sentir pena do Batman...

Na missa de sétimo dia do meu cunhado, ele se vestiu de Homem-Aranha. Dessa vez, o padrinho do Eloy fez uma observação: "sempre que eu te vejo você está vestido de super-herói" ao que o Eloy respondeu: "mas eu sou um super-herói".

Naquela triste fase, o Eloy precisava se sentir heroico. Por ele e pela mãe dele. E encontrou a força  necessária para superar um momento difícil nos seus ícones oriundos dos quadrinhos.

Eloy é órfão de pai. Assim como o Bruce Wayne, o Batman, cujo pai foi baleado na sua frente.

Há algumas semanas, meu sobrinho viu pela primeira vez a cena de Batman Begins em que Bruce presencia o assassinato de seus pais. 



Logo após, assistiu A Máscara do Fantasma, primeiro longa-metragem em animação de Batman. Neste, Bruce, em várias cenas, aparece sendo atormentado pelas lembranças daquela noite fatídica. O comentário que o Eloy fez a respeito desta que é uma das cenas mais trágicas da minha infância e adolescência nerd, me surpreendeu:

"O Bruce não consegue tirar o dia em que os pais dele foram assassinados da cabeça. Ele tem que superar isso. É difícil, mas ele tem que superar".


Ele fala por experiência própria. Meu sobrinho superou a perda do pai. O que não significa que ele não sinta sua falta. Sente todos os dias. Mas a dor passou, ficou apenas aquela saudade boa, a lacuna que jamais será preenchida devidamente. Contudo, ele já não sofre mais.


Eloy é órfão de pai como o Peter Parker é duas vezes. A primeira, quando perdeu os pais biológicos. A segunda, quando perdeu o pai de criação, a sua principal figura paterna, o Tio Ben. Uma cena que arranca lágrimas dos olhos do meu sobrinho (e minhas também) até hoje.

Ele é órfão de pai como o o Tony Stark (Homem de Ferro) e o Matt Murdock (Demolidor).

Talvez seja esse um dos motivos para o Eloy gostar tanto de super-heróis. Ele se identifica, se coloca no lugar deles, e percebe que, mesmo diante de traumas e tragédias, eles se reerguem ainda mais fortes, dispostos a superar os próprios conflitos e adversidades e usar suas habilidades para ajudar o próximo e fazer o bem para a humanidade. Sempre dispostos a mostrarem o melhor de si.

O Eloy faz isso.


Ele tem muito mais de Peter Parker, Bruce Wayne, Matt Murdock e Tony Stark do que de Homem-Aranha, Batman, Demolidor ou Homem de Ferro. Ele se identifica muito mais com os homens por trás das máscaras do que com os heróis encapuzados.

Não é à toa que ele é a razão do meu orgulho e o meu pequeno super-herói da vida real.



“Morto há quase 20 anos e continua me levando para a escola...
Obrigado, pai" (Homem de Ferro 2, 2010)

*Salut*

8 comentários:

  1. Que sobrinho mais lindo, que história linda! Que esse super-herói conquiste tudo de mais maravilhoso no mundo. Poucos dos mais "adultos" que conhecem não tem metade dessa percepção de vida. Adorei e me emocionei! :)

    http://karolinando.blogspot.com.br/

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Obrigada, Karoline! Não só pela visita e comentário, como pelas suas palavras. E concordo contigo! Eu fico surpresa com o entendimento que o Eloy tem da vida, da morte e de tantas outras coisas. Ele tem uma visão tão madura do mundo. Fico muito orgulhosa. E fico feliz que você tenha se emocionado com o texto <3

      Bjos!

      Excluir
  2. Ah! Que menino mais lindo! Eu também sou viciado em super heróis e hqs. Saudades de você no blog!

    http://www.jj-jovemjornalista.com/

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Ele é lindo mesmo <3
      Sou apaixonada por HQs e super-heróis desde muito nova também.
      Bjos!

      Excluir
  3. Oi Andrizy, tudo bem?
    De todas as pessoas presentes, seu sobrinho com toda certeza era o mais corajoso de todos. Que Deus mantenha essa força nele, e que ele siga o exemplo desses heróis. O da força, coragem, e de sempre buscar o melhor.
    Forte abraço,
    Amanda Almeida
    http://amanda-almeida.com.br

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Hey, Amanda! *acena* =)
      Sim, ele foi o que melhor conseguiu passar por toda aquela situação. Amém para tudo o que você disse.
      Bjos <3

      Excluir
  4. Lindo e emocionante! A coragem desse menino é imensa! Sim, ele é maduro, mas nem por isso ficou amargo. Belíssimo texto!

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Oi, Helo =D
      Obrigada! fico imensamente feliz que tenha gostado. E, sim, o Eloy é muito forte, maduro e corajoso. Obrigada pela visita e comentário. Adorei te ver pelo blog <3

      Excluir