Páginas

domingo, 10 de janeiro de 2016

[Febre das listas] Primeiros erros (e acertos) de 2016

Olá :)

Este é o primeiro post de 2016 e o título nada mais é do que uma brincadeira, aludindo à clássica balada oitentista de Kiko Zambianchi (posteriormente gravada pelo Capital Inicial e até pela Simony!), pois, a verdade é que, nesses primeiros dez dias do ano, cometi mais acertos do que erros, felizmente. Muita coisa boa aconteceu nesse início de 2016 e não estamos nem na segunda semana de janeiro...

Por isso mesmo, por ser tão cedo, é que não posso me dar ao luxo de começar a celebrar. Muitas águas ainda vão rolar, mas, por hora, posso dizer que estou bem e contente. Bem diferente do final do ano passado, como os três leitores deste obscuro blog devem se lembrar...

Mas vamos dar início à febre das listas, com esse post no qual elenquei os meus primeiros passos em 2016: a primeira música, o primeiro filme, o primeiro disco, e por aí vai...


Primeira música:
Eu não lembro qual das três foi a primeira e, obviamente, não lembro a ordem em que as ouvi, portanto listei as três. Uma delas foi a primeira, não me recordo qual. Tudo muito parecido, né? Mesmo estilo, meu gosto nem é variado e tal... =P

Primeiro videoclipe:
Esse foi um erro dos grandes. Estava eu, no tumblr, em busca de fan theories sobre as minhas séries favoritas e procurando gifs para roubar, quando me deparei com uma listagem de boybands K-pop e, consequentemente, com o BToB, um grupinho de rapazes sul-coreano que é tão breguinha quanto às boybands americanas, com a mesma batida repetitiva e as coreografias super criativas. Tem quem goste... 

O pior é que a música ficou na minha cabeça... Tô me sentindo, desde então, como a Emma Stone naquela cena de Easy A.

Primeiro disco:


Prestes a completar 69 anos (na sexta, dia 8), Bowie lançou um novo disco. E só tem se falado dele nos últimos dias pela internet afora. Desse disco e de Star Wars... Enfim, gostei do Blackstar. Mas apenas isso. Gostei. Acho que vou precisar ouvir de novo porque primeiras audições costumam me confundir e eu só consigo formar uma opinião mesmo a partir da segunda vez que ouço.  Todavia, por enquanto é isso. Não sei se fui com muita sede ao pote, se as minhas expectativas eram altas demais, mas não vi nenhuma obra-prima, nem mesmo um disco excelente. É um bom disco, com sete faixas, todas interessantes. Mas nada excepcional. 

Primeiro livro:
Brilhantes (Marcus Sakey) 


Estou novamente preguiçosa para leituras (isso desde a última crise de depressão...), mas farei o possível para trabalhar minha concentração e terminar Brilhantes ainda este mês. O livro é uma indicação da minha amiga Mah Campelo. Ela conhece a minha paixão por X-Men e me recomendou este título que traz uma temática parecida (pessoas com poderes especiais temidas e recriminadas pela sociedade). Eu já gostei do que li (apenas três capítulos, por enquanto) e sempre me interesso por essa premissa de desajustados procurando seu lugar no mundo. Curti o ritmo e a trama parece mesmo envolvente. Assim que terminar posto minhas impressões por aqui :)

Primeira HQ/Mangá:
Planetes (Makoto Yukimura)


Um ótimo sci-fi (pra variar... preciso expandir meus horizontes), com temática espacial e um arte lindíssima (sério, os cenários criados para a trama são deixar qualquer leitor boquiaberto). O mangá acompanha a história da tripulação de uma nave cujo objetivo é coletar destroços pelo espaço, isto é, eles são encarregados do lixo espacial. Apesar de um foco intimista em diversas passagens - dando mais ênfase ao desenvolvimento de personagens e suas histórias pessoais - a obra traz um alerta importantíssimo, conscientizando o leitor a respeito destruição ambiental (sem soar ecologicamente correto e, portanto, forçado demais). São quatro volumes e eu estou partindo para o segundo ;)

Primeiro filme:
Spotlight


Comecei bem o ano com esta joia cinematográfica. Como ele é um dos frontrunners ao Oscar de Melhor Filme deste ano, fui com zero expectativas e me preparando para enfrentar duas horas de uma narrativa morna, chata e quadrada - o padrão que a Academia adora. Mas me surpreendi positivamente. O filme é baseado em fatos e retrata investigação de uma equipe de jornalistas, posteriormente vencedora do Prêmio Pulitzer, de diversos casos de pedofilia na Igreja Católica pelos idos de 2001 - época também dos atentados ao World Trade Center. Bem ao estilo de dramas jornalísticos investigativos das antigas, como há muito não víamos. Lembra um pouco a estrutura de Todos os Homens do Presidente. Para quem se interessa pelo tema, é uma ótima pedida e vale o ingresso. 

Primeira revisão:
De Volta Para o Futuro 2


A sequência, tão brilhante e divertido quanto o primeiro, continua um clássico digno de revisitas. Viajar no DeLorean ao lado de Doc Brown e Marty McFly é sempre garantia de uma jornada fascinante. Mesmo que repetidas vezes.

Primeira série:
The Fades


Vi a season premiere da produção sobrenatural britânica da BBC Three que, embora premiada, foi cancelada ainda na primeira temporada. Não sei se vou continuar. Por enquanto, não curti muito a dinâmica da série, mas vale a pena ver pelo Iain de Caestecker que, além de ser uma graça, já mostrava ser um excelente ator lá pelos idos de 2011 #TeamFitz.

Nas próximas postagens que farão parte da série Febre das Listas:

Os Melhores Filmes de 2015;
Os Melhores Momentos em Séries;
Leituras de 2015

*Salut*

Nenhum comentário:

Postar um comentário