Páginas

domingo, 5 de janeiro de 2014

[Filme aos domingos] Voo Noturno


Olá! Eis o primeiro post do ano e eu não poderia falar de outra coisa que não fosse filmes para começar bem 2014. Aliás, logo mais, postarei por aqui a minha singela listinha de filmes favoritos de 2013. Mas, por hoje, fiquem com Voo Noturno abrindo a seção filme aos domingos em 2014.

Quando se fala em Wes Craven, a primeira coisa que vem à mente é terror. E, por conta da trilogia Pânico (isto é, das duas sequências do filme original), o nome do cineasta deixou de inspirar confiança aos amantes do gênero (do qual ele sempre foi considerado um dos mestres). Depois de tropeçar com a já citada trilogia e o esquálido Amaldiçoados, o diretor apostou em um suspense mais psicológico que impacta pela tensão, não pela violência gráfica. O resultado é um thriller competente, cujo o maior trunfo é o elenco bem escolhido.

A trama acompanha uma jovem que está embarcando em um avião com destino à Miami onde reside e trabalha como gerente de um hotel. O passageiro da poltrona ao lado da sua, a princípio charmoso e gentil (e que ela conheceu durante o check-in), logo se revela um terrorista que ordena a ela que o ajude em um plano de assassinato ao Secretário de Segurança Nacional que costuma se hospedar no hotel em que a moça trabalha. Se ela se recusar, seu pai é quem será morto.

O duo principal, composto por Rachel McAdams e Cillian Murphy, é um dos grandes méritos do longa. Não são apenas dois atores competentes, como possuem carisma de sobra. A boa interação e dinâmica entre o casal é o que dá ritmo e movimento ao filme. Seus personagens passam longe de estereótipos bidimensionais comuns ao gênero. Muito pelo contrário, são bem construídos e apresentam uma evolução notável ao longo da trama. Ela é muito mais do que a mocinha assustada. Ele, mais do que um psicopata charmoso.

O cineasta acerta no nível de tensão e na sensação de pânico e claustrofobia que transmite ao espectador, ao explorar magistralmente o espaço restrito que a personagem de McAdams é obrigada  a dividir com um psicótico Murphy.

Wes Craven realiza aqui um ótimo e consistente trabalho. Voo Noturno, provoca uma aflição genuína e faz o espectador torcer com afinco pela protagonista. O roteiro é bem sacado, apesar de alguns lugares-comuns e do final dispensável. Mas nada que desmereça o andamento do bom filme.

Vale a sessão!

7 comentários:

  1. Acho que já ouvi falar desse filme, mas confesso que a sua resenha me deixou com aquela vontade de conferi-lo!!

    Parabéns pelo post e te convido a visitar o meu blog =D
    http://portalvitamina.blogspot.com.br/

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Vale muito a pena, Ramon! O filme te prende do início ao fim. Obrigada pelo comentário.

      Pode deixar que vou visitar :)

      Excluir
  2. Nunca ouvi falar nesse filme mas parece ser bom, gosto desse gênero.
    Flor já estou lhe seguindo pode retribuir? Grata desde já!

    http://voceeoquele.blogspot.com.br/2014/01/news-literarias-autores-parceiros_6.html

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Quando puder, veja o filme. Ele é bem envolvente :)
      Obrigada pela visita e já estou te seguindo

      Excluir
  3. Bem eu não gosto muito do gênero, na verdade eu não gosto nada, mais você descreveu tão bem os sentimentos do filme, que me deu curiosidade...
    Bjos, Myllena.
    Minhas Pequenas Verdades

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Mas*
      Esse teclado inteligente do cel as vezes me mata ashuas

      Excluir
    2. Dá uma chance, Myllena. Só pelos atores principais já vale a pena :) o teclado do celular já me fez pagar cada mico no whatsapp... hahaha! Obrigada pela visita, vou dar uma passada no seu blog.

      Excluir