Páginas

domingo, 12 de março de 2017

Títulos Nacionais de Filmes Estrangeiros - Oscar 2017

Inspirada por uma das minhas últimas leituras, o Perdidos na Tradução, de autoria do professor e tradutor Iuri Abreu, que fala sobre os títulos nacionais de filmes estrangeiros, decidi analisar os nomes que os filmes que concorreram à categoria principal, a de melhor filme, no Oscar deste ano, receberam por estas bandas. Já de cara não é preciso analisar muito para perceber que a febre do subtítulo acometeu as distribuidoras na hora de lançar os longas em território brasileiro.



La La Land - Cantando Estações
O subtítulo é totalmente dispensável. Não consigo imaginar ninguém chamando o filme de Cantando Estações. O título nacional se justifica pelo fato de a história dos protagonistas se desenrolar ao longo das estações. Mas é o típico caso de Ghost que ninguém sequer se lembra do subtítulo Do Outro Lado da Vida. Só o nome original do filme já bastaria.

Moonlight: Sob a Luz do Luar
Mesmo caso de La La Land. Moonlight não é um título de difícil pronúncia. E falar o nome do filme e acrescentar o subtítulo é pura perda de tempo. Obviamente, o espectador brasileiro irá sempre se referir ao filme pelo seu título original.

Lion: Uma Jornada Para Casa
Foi mesmo a tendência da temporada, o tal do subtítulo. Faz sentido esse Uma Jornada Para Casa, apesar de ser comum demais, é esse exatamente o mote do filme. Mas só serve para ornamentar. Lion é pronunciável, sonoro, prático.

Até o Último Homem (Hacksaw Ridge)
É, o nome original do filme de Mel Gibson soa meio complicado por aqui. E não existe tradução, visto que Hacksaw Ridge é como foi apelidado o penhasco localizado em Okinawa, onde se desenrolou o combate sangrento entre os soldados americanos e japoneses durante a Segunda Guerra Mundial. A solução foi encontrar um nome para o filme que melhor se adequasse à trama. E Até o Último Homem condiz com o espírito do filme, ainda que soe genérico e já exista um filme de mesmo nome (e também de guerra), estrelado por Jack Palance. Para quem não sabe, o título brasileiro se refere ao fato de que o personagem de Andrew Garfield carregou nas costas até o último homem ferido que foi capaz de salvar durante o violento confronto.


A Qualquer Custo (Hell or High Water)
Outro título de difícil pronúncia em português, ganhou o nome de A Qualquer Custo no Brasil. Mais um genérico, mas que tem cabimento, uma vez que o filme narra os assaltos cometidos por dois irmãos a uma rede de bancos do Texas. Daí o sagaz Custo do título nacional. Mas poderiam ter sido mais criativos.

Estrelas Além do Tempo (Hidden Figures)
Outro nome genérico e o Estrelas deixa a impressão de que se trata de uma cinebiografia de um grupo vocal da década de 1960 composto por mulheres afro-americanas. Não, elas são matemáticas. E esse título nacional metido a espertinho e poético faz referência ao fato de elas trabalharem na NASA em plena corrida espacial, quando os EUA tentava passar a frente da União Soviética e enviar um homem ao espaço no auge da Guerra Fria.

A Chegada (Arrival)
Fiel ao título original, o longa narra a chegada inesperada de seres extraterrenos ao planeta Terra.

Um Limite Entre Nós (Fences)
Fences poderia ser mantido, mas as distribuídoras nacionais talvez tenham achado que soaria estranho aqui no Brasil, uma palavra pouco usual em uma terra tão acostumada a usar estrangeirismos em seu vocabulário. Cercas (a tradução literal) era comercialmente inviável. Mas Um Limite Entre Nós é tão sem graça e sem sal… Poderiam ter se esforçado mais.


Manchester à Beira Mar (Manchester by the Sea)
E eu deixei o melhor para o final. Tanto em termos de título nacional quanto de qualidade cinematográfica mesmo. O melhor filme dentre os concorrentes ao Oscar de 2017 ganhou um título totalmente fiel ao original em inglês, mostrando que não é necessário inventar muito quando se há a oportunidade de seguir à risca o título real do filme.

*Salut*

Nenhum comentário:

Postar um comentário