Páginas

quinta-feira, 1 de dezembro de 2016

[Escritora de quinta] Sobre o processo árduo de escrever


As minhas ideias surgem totalmente desordenadas, descoordenadas e desalinhadas pela madrugada. Na maior parte das vezes, uma mesma linha de raciocínio dá origem a três diferentes textos que deixo para escrever no outro dia, pela manhã. Textos que demoro a postar nos meus blogs, pois sou exigente comigo mesma e os reviso e corrijo centenas de vezes. E, na maior parte delas, mesmo com toda a revisão, ainda deixo passar alguns erros de concordância ou vírgulas em lugares errados. Nem sempre a persistência leva à perfeição.

Mas, de todo modo, quando finalmente ordeno, coordeno e alinho minhas ideias, percebo que me expresso melhor por escrito do que verbalmente.


Escrever não é uma tarefa fácil. Exige tempo, concentração, conhecimento sobre o que você está dissertando. Como eu não canso de falar, devemos escrever apenas sobre o que entendemos, conhecemos, pesquisamos e nos aprofundamos. Em suma, sobre assuntos que tenhamos alguma propriedade, algum domínio.

Todas as pessoas que conheci que diziam que escrever era fácil e podiam facilmente produzir dez páginas de word em vinte minutos, escreviam muito mal, argumentavam mal, cometiam erros crassos de português e confeccionavam textos desinteressantes e cobertos de clichês.

Escrever leva tempo. Necessita de inúmeras leituras e revisões após estar escrito.

Mas o antes de escrever é sempre a parte mais complicada.

A inspiração surge, o problema é o desenrolar, a contextualização, a execução da ideia. Um texto é construído em etapas. Depende de todo um processo para ser finalizado. Eu costumo organizar as ideias em tópicos, depois montar um esqueleto (a estrutura que o texto irá seguir), para só então desenvolvê-lo plenamente.


O overthinking é uma característica tanto positiva quanto negativa minha desde que eu me entendo por gente. Penso em excesso, pondero centenas de vezes se mantenho ou não um determinado parágrafo, uma determinada palavra, uma determinada ideia...

Eu decidi iniciar este blog para não mais perturbar meus amigos de facebook com constantes publicações longas (o famigerado textão). Aqui, me expresso, poucas pessoas leem, mas recebo respostas positivas e críticas construtivas dos meus poucos leitores.

E lá se foram três anos desde que eu o inaugurei...

Não importa quantas pessoas estejam lendo, eu continuarei escrevendo. Pois sei que isso é o que faço de melhor.

*Salut*

Nenhum comentário:

Postar um comentário